Sesc-SC promove ações do Junho Violeta

Atividades fazem parte da Campanha Nacional de Conscientização e Prevenção da Violência contra a pessoa idosa


10/06/2024 - Atualizado em 10/06/2024 - 1092 visualizações

Participe das ações do Junho Violeta no Sesc-SC 

As Unidades do Sesc Santa Catarina promovem ações do Junho Violeta: Campanha Nacional de Conscientização e Prevenção da Violência contra a pessoa idosa. A programação conta com palestras, rodas de conversa, debates, para conscientização e informação sobre o tema. O assunto também será tratado nos grupos do Trabalho Social com Pessoas Idosas e, também abertas aos familiares, profissionais da área e comunidade em geral.

O Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa (15/06) foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa no ano 2006. A data alerta para a responsabilidade de cada um na construção de uma sociedade que respeite e garanta os direitos desse público. No Brasil, o Estatuto do Idoso foi criado em 2003 para regulamentar os direitos assegurados a essa população, em um dos artigos consta o seguinte: "Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei”.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), situações de violência contra a pessoa idosa são ações (prática intencional) ou omissões (causar dor e sofrimento pelo não fazer) cometidas uma vez ou muitas vezes, que causam danos ou sofrimento a pessoa, prejudicando sua integridade física e emocional, que comprometem a dignidade e o respeito.

Por isso, o Junho Violeta tem como objetivo fortalecer as redes de apoio e prevenir os abusos cometido às pessoas idosas, promovendo o exercício coletivo do cuidado e um ambiente seguro e acolhedor.

Os índices de violência contra essa população só aumentam, sendo essencial intensificar os esforços de forma coletiva, com ações educativas e preventivas, garantindo que toda a sociedade atue no cuidado, saúde, respeito e acesso aos direitos das pessoas idosas. Valorizando o processo de envelhecimento, que é uma experiência comum a todos.

Conheça algumas situações de violência contra a pessoa idosa

Existem várias formas de praticar a violência, entre elas, o preconceito por idade (idadismo, ageismo ou etarismo), o abandono, a negligência, a violência física, psicológica moral, institucional, sexual, patrimonial e financeira.

 Etarismo/Idadismo/Ageísmo
 Definido como a discriminação, o preconceito e a aversão contra pessoas por conta de sua idade avançada. Usar o termo ‘velho’ como algo pejorativo e fazer julgamento de valor ou juízo ao impor limitações sobre o que são ou não atividades para pessoas idosas. É a porta de entrada para outros tipos de agressão e uma forma de violência que contradiz a evolução. Contribui para a exclusão social da população idosa, violando, por consequência, os direitos fundamentais dessas pessoas.  

Violência física

 A violência física, definida também como abuso físico, caracteriza-se por atos e condutas que acarretam dano à integridade física, causando dor, ferimentos, incapacidade ou até morte. Exemplos comuns: tapas, socos, chutes, beliscões, apertos, puxões de cabelo, mordidas, arranhões, agressões com armas ou outros objetos, produzir queimaduras.  

Violência emocional e psicológica
Caracteriza-se por todas as formas de desrespeito, preconceito, discriminação, depreciação, infantilização, rejeição e intimidação cometidas contra a pessoa idosa. Exemplos: xingamento ou gestuais, gritos, piadinhas, com o objetivo de chantagear, debochar, constranger, humilhar, restringir a liberdade de ação e decisão ou isolá-los do convívio social.     

Violência Financeira, Econômica e Patrimonial
Consiste na exploração imprópria ou ilegal ou ao uso não consentido de seus recursos financeiros e patrimoniais, seja por ação ou omissão daqueles que deveriam ter o dever legal de zelar pela proteção da pessoa idosa. Outra situação que exemplifica é a aplicação de golpes financeiros de pessoas estranhas ao seu convívio. Mais exemplos: reter  cartões  magnéticos  de conta bancária;  apropriar-se de bens e rendimentos; induzir a alterar o seu testamento; instigar a fazer doação.

Negligência/Abandono
Refere-se à recusa ou omissão de cuidados e proteção devidos e necessários à pessoa idosa, por parte dos responsáveis familiares, cuidadores ou de instituições. Envolve a falha no atendimento de necessidades básicas, tais como: alimentação, habitação, higiene, vestimentas e cuidados de saúde. Alguns sinais de negligência: desidratação ou desnutrição; higiene precária; vestuário inapropriado ao clima/ambiente; úlceras de pressão, assaduras ou escoriações; demora em buscar atendimento em saúde quando necessário; e/ou não atendimento às orientações sobre cuidado à pessoa idosa, após repetidas orientações.

Canais de Denúncia

O Ministério dos Direitos Humanos disponibiliza o Disque 100, serviço coordenado pela Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos (ONDH) gratuito, sigiloso e opera 24h por dia. Além de ligação gratuita, os serviços estão disponíveis por meio do site da Ouvidoria, aplicativo Direitos Humanos, Telegram (digitar na busca “Direitoshumanosbrasil”) e WhatsApp (61) 99611-0100. 

Também podem ser realizadas denúncias:     

  • Unidades Básicas de Saúde  
  • Ministério Público de Santa Catarina
  • Setor de Atendimento ao Cidadão:  (48) 3330-2570  
  • Polícia Militar de Santa Catarina (para emergências, disque 190)
  • Delegacia Geral da Polícia Civil de Santa Catarina 
  • Delegacias de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso – DPCAMIs (disque 181)  
  • Secretaria de Estado da Assistência Social, Mulher e Família – Ouvidoria (48) 3664-0634.   
  • Conselho Estadual e Municipais da Pessoa Idosa. 
    Para mais informações sobre atendimento e encaminhamento da pessoa idosa em situação de violência, acesse o Protocolo do Atendimento ao Idoso Vítima de Violência (PISC).